Oitavo norte-americano mais rico, Michael Bloomberg foi prefeito de Nova York; segundo seu porta-voz, ele considera que os pré-candidatos atuais não são competitivos para derrotar Donald Trump em 2020.

Michael Bloomberg em evento para prefeitos em 10 de outubro de 2019 Ritzau Scanpix/Martin Sylvest via Reuters O ex-prefeito de Nova York Michael Bloomberg está considerando a possibilidade de entrar na corrida pela candidatura presidencial democrata de 2020, de acordo com um comunicado que seu porta-voz divulgou na quinta-feira (8). Se isso de fato acontecer, será um movimento que pode desorganizar a disputa apenas três meses antes das primárias iniciais. Bloomberg, o bilionário magnata da mídia e filantropo que serviu três mandatos como prefeito da maior cidade dos Estados Unidos, está cético quanto às chances de qualquer dos atuais candidatos democratas derrotar o presidente Donald Trump nas eleições gerais do próximo ano, disse um porta-voz. "Mike está cada vez mais preocupado com o fato de o atual grupo de candidatos não estar bem posicionado" para derrotar Trump, disse o porta-voz de Bloomberg, Howard Wolfson, em um comunicado. Bloomberg, de 77 anos, deve apresentar nesta semana a documentação para disputar a primária presidencial democrata no Alabama, que exige a inscrição com muita antecedência.

Isso manteria suas opções em aberto para uma possível candidatura à Casa Branca, disse à Reuters uma fonte familiarizada com suas avaliações. O campo democrata, agora com 17 pré-candidatos, vem convergindo para quatro nomes, de acordo com pesquisas recentes: Elizabeth Warren, senadora Bernie Sanders, senador Joe Biden, ex-vice-presidente Pete Buttigieg, prefeito de South Bend, Indiana Bloomberg, presidente-executivo da Bloomberg LP, serviu como prefeito de Nova York de 2002 a 2013 e tem sido um dos principais advogados e filantropos das questões de mudança climática e violência armada. "Se Mike concorrer, ele oferecerá uma nova opção para os democratas, com base em um histórico único, administrando a maior cidade dos Estados Unidos, construindo um negócio do zero e enfrentando alguns dos desafios mais difíceis dos EUA como filantropo de alto impacto", afirmou Wolfson. "Mike seria capaz de lutar contra Trump e vencer", acrescentou. Críticas aos concorrentes atuais Bloomberg criticou Warren e seu plano de instituir um imposto sobre os super-ricos se ela for eleita presidente para financiar programas que vão desde atendimento médico universal a escolas gratuitas.

Se Bloomberg participar da disputa, ele provavelmente competiria com candidatos como Biden e Buttigieg como uma alternativa moderada ao progressismo populista de Warren. Bloomberg, que a Forbes classifica como o oitavo norte-americano mais rico, com uma fortuna estimada de 53,4 bilhões de dólares, seria capaz de financiar sua própria campanha, talvez permitindo que ele crescesse rapidamente na disputa.

Mas teria que construir uma organização em vários estados em tempo real. O caucus de Iowa, a primeira disputa formal no calendário democrata, será realizado no dia 3 de fevereiro.